Justiça condena a mais de 46 anos de prisão acusado de matar agente em rebelião na Fundação Casa de Marília

Réu também foi condenado por mais três tentativas de homicídio. Outros três envolvidos na morte do agente e em duas dessas tentativas de homicídio também foram condenados a 16 e 15 anos de prisão.

06/10/2021 - 15:41 hs

A Justiça condenou nesta quarta-feira (6) os quatro réus envolvidos na morte de Francisco Carlos Calixto, agente socioeducativo assassinado durante uma rebelião na Fundação Casa de Marília (SP). O crime aconteceu em outubro de 2016.

O Tribunal do Júri foi realizado no Fórum de Marília e começou por volta das 10h desta terça-feira (5) e a sentença só foi proferida por volta das 2h desta quarta-feira.

Foram 16 horas de julgamento e o acusado de matar o agente foi condenado a mais de 46 anos de prisão pelo crime. Outros três foram julgados por envolvimento em três tentativas de homicídio. (Veja os detalhes da sentença abaixo).

Cleberson Willian Veloso que era acusado pelo assassinato do agente foi condenado 46 anos, 11 meses e 15 dias de reclusão por homicídio e três tentativas de homicídio e mais 1 ano e três meses de detenção, em regime inicial fechado, pela fuga e motim na Fundação Casa.

Johnatan Henrique Nogueira terá que cumprir pena de 16 anos, 11 meses e 15 dias de reclusão por duas tentativas de homicídio e 1 ano e 3 meses de detenção, em regime inicial fechado, pela fuga e motim na Fundação Casa.

Já Daniel Vicente Silva de Souza e Mateus Rodrigo Bernardo Ramos receberam uma pena de 15 anos, 7 meses e 15 dias por duas tentativas de homicídio, e 1 ano e 3 meses de detenção, em regime inicial fechado, pela fuga e motim na Fundação Casa.

Entenda o caso
O caso gerou repercussão na época pela violência dos jovens durante a rebelião. No dia 4 de outubro de 2016, os internos estavam sendo levados de volta para as celas quando um grupo rendeu voluntários de uma igreja e funcionários. Dezoito internos conseguiram fugir pelo muro dos fundos da unidade.